Energia Solar

Parque Villa-Lobos e Cândido Portinari em São Paulo, utilizarão energia solar

Atualmente, assuntos como a sustentabilidade e maneiras de diminuir impactos ambientais estão sendo muito discutidos no Brasil e no mundo, a energia solar é uma das alternativas encontradas para diminuir estes impactos, seu uso está cada vez mais em expansão, estão sendo criados até mesmo cursos de energia solar para quem deseja trabalhar neste ramo.

No ano de 2017, os parques Villa-Lobos e Cândido Portinari, localizados na zona oeste de  São Paulo – SP, serão os primeiros parques do Brasil a serem totalmente abastecidos por energia solar. O projeto foi idealizado pela Secretaria de Energia e Mineração e executado pela Cesp – Companhia Energética de São Paulo.

Contando com um investimento de R$ 17 milhões, o projeto tem a participação de empresas como a AES Eletropaulo, AES Tietê, Foz do Rio Claro, Juí Energia e RTB Energias Renováveis (responsável pelo programa e desenvolvimento). Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Mineração e Energia, R$6,5 milhões do investimento total foram utilizados nas instalações nos parques e o restante será utilizado em pesquisas na área de energia fotovoltaica.  

Saiba mais: Confira os benefícios da utilização da energia solar

No telhado de uma das lanchonetes do Parque Villa-Lobos, foi instalada uma minicentral, com 57 módulos fotovoltaicos, que totalizam uma potência de 9,6 kWp e no bolsão do estacionamento do Parque Cândido Portinari foi instalada uma central de 531 kWp com 2095 módulos.

O Parque Cândido Portinari ainda conta com quatro microinstalações (duas delas com rastreamento de posição solar) com 36 painéis solares e potência total de 10 kWp. Foram instalados também 40 postes autônomos que iluminam o parque durante a noite. O projeto irá totalizar em 3521 m² de painéis fotovoltaicos.

Além da geração de energia solar nos parques, São Paulo está realmente investindo na produção de energia renovável. No ano de 2014, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, assinou um decreto garantindo a isenção de impostos para iniciativas na área de geração de energias eólica e solar, sobretudo nas regiões de Araçatuba, Barretos e São José do Rio Preto, regiões que contam com uma grande incidência de radiação solar. Já no ano de 2015 foram publicados outros dois decretos (nº 60.297 e 60.298) que concedem a  isenção de ICMS para empresas paulistas que geram energia elétrica ou térmica a partir de fontes alternativas como biogás ou biomassa. Essas foram iniciativas do governo para incentivar a utilização de fontes de energia renovável.

Para se ter uma ideia, São Paulo tem a capacidade de produzir energia o suficiente para garantir o abastecimento de 4,6 milhões de residências, tudo isso utilizando apenas a energia solar. Em 2015, a participação de fontes renováveis na geração de energia do estado era de 56%, a meta é atingir 69% de participação até 2020.

Se formos analisar o Brasil inteiro, o país ocupou no ano de 2013 o 12º lugar no índice de atratividade para energias renováveis, o ranking foi divulgado pela Ernst & Young. Até os dias de hoje o Brasil continua se destacando por seu grande potencial em relação às energias renováveis.

Considerando a expansão dos demais países e a produção de energia solar do país atualmente, estima-se que em 2018 o Brasil estará na lista dos 20 países com maior geração de energia solar.

Se a população continuar sendo conscientizada dos benefícios da energia solar tanto para os próprios bolsos e para a saúde, como também para o meio ambiente, já que reduz e muito os impactos ambientais pois a energia solar é uma fonte que vem da própria natureza, além de ser inesgotável e gratuita, a tendência é que a utilização deste tipo de energia  realmente cresça cada vez mais no Brasil e no mundo.